segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Dolores O'Riordan




AFP, O Estado de S.Paulo
15 Janeiro 2018 | 15h29


Dolores O
Dolores O'Riordan, vocalista da banda The Cranberries Foto: Guillaume Souvant/ AFP




LONDRES - A cantora do grupo irlandês Cranberries, Dolores O'Riordan, morreu "subitamente" nesta segunda, 15, em Londres, aos 46 anos, anunciou sua agente.
"A cantora do grupo irlandês The Cranberries estava em Londres para uma sessão de gravação", disse sua agente, Lindsey Holmes Publicity, em comunicado.
"A família está devastada ao saber da notícia  pediu que se respeite sua privacidade neste momento difícil", diz comunicado. Ainda não há detalhes a respeito da morte da cantora. 
The Cranberries, com a carismática Dolores liderando, alcançou o estrelato internacional no início dos anos 1990 com música Zombie, Dreams e Linger, chegando a vender mais de 40 milhões de discos no mundo.
Depois de encerrar a trajetória em 2002, a banda de rock irlandesa voltou aos palcos sete anos depois para uma turnê mundial, em 2012, lançando o álbum Roses. 
No ano passado, o grupo lançou o acústico Something Else, em que revisitam suas músicas gravadas com a Orquestra de Câmara Irlandesa e incluíram três canções novas.
No começo do ano passado, no entanto, a banda teve de cancelar a turnê europeia devido a problemas de saúde de Dolores O'Riordan. 
Nascida em Limerick, na Irlanda, a cantora também lançou trabalhos solos, como os álbuns Are You Listening? (2007) e No Baggage (2009). 




Sade- kiss of life

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Entre o céu e o mar






Todo o nosso saber começa nos sentimentos
( Leonardo da Vinci )







Quantos labirintos, tem meu coração
Pra eu me perder, e te encontrar
Quantas avenidas, tem o seu olhar
Pra te seguir, e me guiar


Meu coração me leva
Perto demais do seu
Meu coração nem sabe por que
O meu amor é bem maior que eu


Quem sabe o destino, ainda vai juntar
O céu e o mar, eu e você
Quem de nós um dia, iria imaginar
Que o amor pudesse acontecer


Seu coração é livre
Tanto que prende o meu
Seu coração nem sabe por que
O meu amor é tão igual ao seu


Matinal










Versos borrados no guardanapo
 trazem a  fragrânciada teus lábios
embaralhando
 definições do amor

doce oferenda matinal
em coleante cesto de aljôfares
graça, suavidade, leveza
emolduram minha inspiração
sob os poemas do teu olhar

cativando , encantando
 os sensores do meu juízo
no orvalho do teu corpo
o relicário do paraíso

a luz das rosas
 em nívea acácia 
 flor de encantos
das tuas pétalas a recender
a perfumaria dos anjos




DAVI CARTES ALVES





 




Princesa







Vale tentar viver
tudo de mais
você me faz descobrir
o dom de iluminar

Tudo que for sentir
deve durar
de tanto a luz, explodir
aprender,conhecer, revelar

Sim,princesa sou quem vai chegar
na chuva da montanha vem se molhar
sempre, pra sempre sou por seu querer
estrela cintilante vem me valer

Vale dizer que sim
Vale chorar
de tanto o som, explodir
descobrir,conhecer, revelar

Sim,princesa sou quem vem pedir
me faz arder em brasa
vem e me acende
chama, me chama

Sou por seu querer
estrela cintilante
 vem me valer




Flavio Venturini




sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Lindeza



Lindeza que os anjos invejam:
Por quê essa cara triste
de quem tava de conga
na chuva fria?

Anime-se

E se tivéssemos que pagar
para usufruirmos
 deste raio de sol?

E todo por do sol
quanto custaria?

Anime-se

Veja você como é lindo!
Aceite este abraço afetuoso
do Criador



Romanos 1:20




terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Mais do que eu posso dizer









                 Só você tem esse dom 
de dizer em terra,
doçuras e delícias de um céu
que se usufrui deslumbrado
na maciez de uns olhos fagueiros

que chega 
com esta doce intimidade solar
trazendo nas suas asas de amor
a suave calmaria do mar

e a lembrança dos teus doces abraços
leveza que me envolve em asas mansas
de pássaros apaixonados
declamando ao lusco-fusco
amores e dissabores

contemplados da triste janela
derramam num vôo brando
slides dos teus sorrisos
quais brisas de mil paraísos


seus lábios tão lírios
quão líricos
teus braços tão cisnes de amor
tua alma quão lua,
tão sua
você meu mar jovem em flor

hoje minhas borboletas tagarelas
sonharam novamente contigo
e acordaram cochichando em rubor
que só mesmo dos teus beijos maviosos
flui o mel do paraíso

disseram surpresas 
que o silencio das flores
é disfarce para a sedução

São elas que sussurram
quando os cílios se tocam
no beijo mais doce
no suspiro mais longo


são elas que testemunham
que o amor sobrepuja a tudo e a todos
porque talvez  o amor seja feito mesmo
dessa luz que flui dos teus olhos
e brilha soberana
sobre todas as formas
 de escuridão

Ainda que nuvens escuras
corroam a solidão
com as pontas cegas de uma crase
eis que surge novamente
tua doçura simples
de silêncios perfumados


um cacho de mil ternuras
numa flor de suavidades
sobre um monjolo
de saudades


realmente
algumas lembranças
são vestígios
de lágrimas


E nos sonhos
quando choramos
as lágrimas só caem
no dia seguinte
com as pétalas feridas


num que de horas
que se ama mais
de se olhar para as nuvens
enchidas de saudade
querendo aplausos
para os dramas que encenam
dos homens


esquecer
pois o amor 
só chega na hora certa
não é bom encontrá-lo
nem muito antes
nem muito depois


e voar batendo asas em vertigem
feito pássaro sem os pés
que não consegue pousar
dos céus dos teus encantos


colher as pétalas
que caem das palavras
vislumbre de eternidade
no suave toque entre cílios


 "eu acho suas asas incoerentes
    com as algemas que você carrega"

do amor




DAVI CARTES ALVES








quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

deusinha do milharal









deusinha do milharal
teus olhos meigos  de chacal
me lançam em espiral
num incêndio abismal

deusinha do milharal
fascínio celestial
a musa do candeal
lírica poesia sem igual







sábado, 23 de dezembro de 2017

Saudade





Fer Paola


Que terno anjo
musicou teu sorriso
para usufrui-lo
nas horas de calma?

que afetuoso anjo
musicou teu sorriso
para senti-lo
nas manhãs
de minh'alma?

que mavioso anjo
musicou teu sorriso
para iluminar
qualquer sombra
da alma?

és o próprio anjo
confeito em ternura
 caíste
das nuvens
de mel & doçura


saudade