domingo, 9 de dezembro de 2007

PALAVRAS POROSAS

Há! Essas suas promessas feitas na areia,
porosas e suicídas frente aos assomos
da ventania...

Mas se a asa do tempo leva tudo,
Por quê retornas, uma e muitas vezes
Por quê teimas em me aprisionar
em seu doce império, de sedução, fascínio
e tirania??

Um comentário:

Renata Christina M. de Oliveira disse...

Passeando novamente por seu refúgio poético. Bj