sábado, 1 de novembro de 2008

A IMORTALIDADE DO AMOR

Tua boca
tem sopro doce de luar
mas em minha alma
conjuga em chamas
o verbo amar

teu beijo
tem o mel da imortalidade
deixa a alma sublevar
entre sensações
da tenra idade

teu corpo
és bojo macio de tulipa
a recender magnólias
torna em luminoso paraíso,
meu taciturno mausoléu

Fez me sentir-se Hermes
altaneiro, a levar recados
entre a terra e o céu.

Um comentário:

Jéssica V. Amâncio disse...

ahh..que primeira estrofe mais linda.
:)