terça-feira, 15 de novembro de 2011

Rosas douradas

 
 
 
Emergiam
em meio aos nossos lençóis
rosas douradas
perfumadas
com o nosso amor

sublime amor
engolfado no balé
de suaves carrocéis
e arraias de seda

pois o amor sempre foi
nosso banho de mar primeiro
enquanto você comandava
e direcionava
nossas carruagens de neon
 
depois
quando você se foi dos meus olhos
dos espelhos d'alma
só queria tanto
ter lhe dado
um último abraço, longo
terno & afetuoso abraço
 
e ali
naqueles segundos eldorados
tentar bisbilhotar
no teu coração
algo do meu

tão seu



  DAVI CARTES ALVES
 
 
 
 
 

2 comentários:

NiL Almeida disse...

Um último abraço que não foi dado a tempo, deixa uma interrogação, não é?
Lindo poema...!

Parabéns, escreves bem!

Vanessa Souza Moraes disse...

Carruagens de neon, que belo.